30.05.2019 às 20:06h - atualizado em 30.05.2019 às 20:40h - Chuvas

Fenômeno que atingiu o Extremo Oeste é caracterizado como microexplosão

Kelly Figueiró

Por: Kelly Figueiró São José do Cedro - SC

Fenômeno que atingiu o Extremo Oeste é caracterizado como microexplosão

Continua depois da publicidade

Uma forte tempestade atingiu a região de São Miguel do Oeste na tarde desta quinta-feira, 30, com rajadas de vento de 130 km/h por volta das 13h. Esse temporal e a chuva que atinge todo o Estado estão associados a formação de um sistema de baixa pressão em superfície, à corrente de jato superior e convergência em baixos níveis da atmosfera. O elevado aporte de umidade do ar em SC favoreceu a formação de nuvens de tempestade severa, denominadas de supercélula, que podem originar fenômenos como tornado ou microexplosão.

Pela avaliação preliminar das imagens de radar e dos danos provocados na localidade de São Miguel do Oeste (foto em anexo), os meteorologistas da Epagri/Ciram definiram o fenômeno como uma microexplosão.

Tornado x Microexplosão

Microexplosões ou tornados estão associados a rajadas de ventos intensos com danos significativos, como corte de árvores e arremesso de objetos. São fenômenos que em poucos minutos se intensificam e se desfazem, causando grandes estragos e atingindo uma área muito restrita, como bairros dentro de um município.

Enquanto o tornado apresenta ventos extremamente fortes em forma de redemoinho (nuvem funil), na microexplosão os ventos intensos deslocam-se da nuvem em direção ao solo em linha reta, em um corredor de vento (sem redemoinho). Dessa forma, os estragos em uma área de vegetação serão bem diferenciados, o que permite uma caracterização do fenômeno.

Fonte: Gilsânia Cruz e Clóvis Corrêa - Meteorologistas Epagri/Ciram

Continua depois da publicidade

Comentários depois da publicidade

Comentar pelo Facebook

Fique por dentro das últimas novidades do Portal Peperi.