Publicidade

23.10.2018 às 10:15h - atualizado em 23.10.2018 às 11:32h - Política

Justiça concede liminar contra empresa de Palma Sola por assédio eleitoral

Kelly Figueiró

Por: Kelly Figueiró São José do Cedro - SC

Continua depois da publicidade

Justiça concede liminar contra empresa de Palma Sola por assédio eleitoral

Continua depois da publicidade

A Justiça do Trabalho de São Miguel do Oeste concedeu uma liminar contra a direção da empresa Fibroplast, de Palma Sola, com o objetivo de combater práticas ilícitas de assédio eleitoral na relação de emprego.

De acordo com denúncia do Ministério Público do Trabalho, o proprietário da empresa, Luiz Henrique Crestani, teria tentado induzir o voto dos funcionários ao colocar um cartaz na empresa em que prometia folga aos empregados caso o candidato a presidente Jair Bolsonaro fosse eleito no primeiro turno.

Além disso, gravou vídeos dentro da empresa mostrando cartazes do candidato.

O juiz do Trabalho Ozeas de Castro acatou o pedido da promotoria. Ele caracterizou a situação como ofensiva aos direitos fundamentais dos trabalhadores.

Para o magistrado, toda e qualquer conduta que venha a coagir os empregados a votar em determinado candidato ou a participar de atividade ou manifestação política sob promessa de vantagem ou desvantagem ligada ao contrato de trabalho é irregular.

O juiz determinou que o proprietário da empresa divulgasse a decisão judicial no local de trabalho e gravasse um vídeo com o teor da decisão, que determina a não adotar condutas que tentem influenciar o voto dos empregados, nem prometer vantagens.

A multa é de R$ 20 mil para cada item em caso de desobediência, além de processo criminal.

CONTRAPONTO

O empresário Luiz Crestani disse que foi surpreendido com a intimação. Ele afirmou que o cartaz foi apenas para alertar colaboradores e fornecedores, além de amigos, que a empresa estaria fechada caso a definição da disputa pela Presidência ocorresse no primeiro turno. Ele garantiu não ter coagido ninguém.

O Portal Peperi entrou em contato com o empresário, que reafirmou que jamais pediu voto ou fez pesquisa eleitoral na empresa. Ele entende que a acusação é descabida, mas, que cada pessoa tem um entendimento e interpretação diferente sobre o caso.

Ele antecipou que vai cumprir a determinação da Justiça que é evitar as manifestações.

Fonte: NSC / Portal Peperi

Continua depois da publicidade

Continua depois da publicidade

Advocacia Fávero
AL Contabilidade

Comentários depois da publicidade

Comentários depois da publicidade

Comentar pelo Facebook

Fique por dentro das últimas novidades do Portal Peperi.