20.03.2018 às 10:24h - atualizado em 20.03.2018 às 14:11h - Saúde

São Miguel do Oeste tem confirmado um caso de Chikungunya

Cristian Lösch

Por: Cristian Lösch São Miguel do Oeste - SC

Continua depois da publicidade

São Miguel do Oeste tem confirmado um caso de Chikungunya
Divulgação / PORTAL PEPERI

Continua depois da publicidade

O setor de vigilância epidemiológica da Secretaria de Saúde de São Miguel do Oeste confirmou nesta terça-feira, 20, um caso de Chikungunya no município.

De acordo com o coordenador, enfermeiro Marcos Bortolanza, a confirmação da doença em uma criança de 03 anos, do bairro São Luiz, foi enviada pelo Estado na última sexta-feira. 16. “O que nos preocupa é que o ciclo total de transmissão da doença está instalado no município, ou seja, a presença do mosquito, a presença do vírus e a pessoa adoecendo. O receio é que a doença se alastre para outras pessoas”.

Bortolanza ressalta que no estado são cinco casos no momento, sendo deste total uma pessoa com a doença em São Miguel, dois casos em Cunha Porã, um em Itajaí e um em Tubarão. Ele lembra que o mosquito que transmite a Chikungunya é o mesmo transmissor da Dengue.

O diferencial, de acordo com Bortolanza, é que a Chikungunya é uma doença que costuma se tornar crônica, pois com o passar dos meses ou anos a pessoa segue com dor crônica, como uma sequela, a exemplo de uma artrite, artrose ou dores musculares.

As equipes da saúde estão preparadas para receber os pacientes que apresentarem sintomas como febre acima de 38°, dores musculares, dores nas articulações e machas vermelhas na pele. Por isso, a população deve ficar atenta a estes sinais e buscar ajuda e acompanhamento médico.

Segundo informações do coordenador do setor da dengue, Célio Silva, hoje são 254 focos do mosquito Aedes aegipty no município. É necessário redobrar os cuidados nas residências, comércios e terrenos baldios, no sentido de não haver uma maior proliferação do mosquito.

“Nossas equipes estão fazendo diariamente seu papel, no sentido de conscientizar as pessoas e estar alertas aos locais com maior índice de criadouros do mosquito. Mas a população precisa colaborar e não se descuidar, especialmente nesta época em que há períodos de chuva e calor”, complementou Célio.

Fonte: ASCOM / Prefeitura de São Miguel do Oeste

Continua depois da publicidade

Advocacia Fávero
AL Contabilidade

Comentários depois da publicidade

Comentários depois da publicidade

Comentar pelo Facebook

Fique por dentro das últimas novidades do Portal Peperi.