Publicidade

18.07.2017 às 13:40h - atualizado em 18.07.2017 às 16:15h - Saúde

A dependência de duas drogas lícitas: álcool e cigarro

Cristian Lösch

Por: Cristian Lösch São Miguel do Oeste - SC

Continua depois da publicidade

Continua depois da publicidade

O alcoolismo e tabagismo são dependências que andam juntas. A maioria dos fumantes ingere álcool e estes têm tendência a fumar mais do que os que não bebem. É muito difícil, também, encontrar um alcoolista que não fume.

Conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), 76 milhões de pessoas têm diagnóstico de alcoolismo. O número de fumantes é de 1,3 bilhão. Por ano, o cigarro mata em média 4,9 milhões de pessoas e o álcool, 1,8 milhão. No Brasil, o ato de fumar está cada vez menos popular, no período entre 1990 e 2015, a porcentagem de fumantes diários no País caiu de 29% para 12%. Já com relação ao álcool, estudos apontam que o brasileiro bebe 8,7 litros de álcool puro por pessoa a cada ano, contra a média global de 6,2 litros.

As duas dependências são tão próximas por agir de modo sinérgico: o álcool é um depressor e o fumo, estimulante, portanto o efeito de um é utilizado para compensar o do outro. As causas mais comuns do uso destas drogas lícitas estão associadas a questões genéticas, psicológicas, econômicas e sociais.

O alcoolismo é uma doença progressiva, tendo como agravantes a cirrose hepática, câncer de garganta e do sistema digestivo, a hipertensão e o agravamento da osteoporose. Já as doenças relacionadas com a fumaça do cigarro vão desde as patologias respiratórias, dos brônquios e pulmões, com um declínio mais rápido da função respiratória, até as patologias tumorais que compreendem além do câncer de pulmão os da boca, faringe e laringe. Os malefícios do tabaco também são sentidos por pessoas não fumantes, mas que trabalham ou convivem com fumadores.

O consumo de álcool e tabaco geram problemas no convívio social do dependente, com pessoas de sua família e trabalho. O reconhecimento da dependência como doença pelo paciente e pelos familiares é parte fundamental do processo de tratamento. As chances de dar certo são maiores quando há acompanhamento qualificado, apoio familiar e, principalmente, quando o dependente está disposto a se livrar do vício. Para isso, existem as Unidades Básicas de Saúde e o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) que são referências para o atendimento, orientação e encaminhamentos.

Viviana Vizzotto e Claire Inez Stratmann

Assistentes Sociais do Hospital Regional Terezinha Gaio Basso



Fonte: Assessoria de Imprensa / HRTGB

Continua depois da publicidade

Continua depois da publicidade

AL Contabilidade
Nedel Celulares.
Advocacia Fávero

Comentários depois da publicidade

Comentários depois da publicidade

Comentar pelo Facebook

Fique por dentro das últimas novidades do Portal Peperi.