18.05.2019 às 10:53h - atualizado em 18.05.2019 às 11:04h - Geral

Homem completa 104 anos de vida e 79 de casado

Diógenes Di Domenico

Por: Diógenes Di Domenico Itapiranga - SC

Homem completa 104 anos de vida e 79 de casado

Continua depois da publicidade

Um dos homens mais idosos da região Oeste está completando nesse sábado, 18, mais um aniversário. São 104 anos de vida. Aloísio Heck reside na zona rural de Tunápolis, em Linha Fátima. Tem vários registros de pessoas que chegaram a essa idade, o que mais chama atenção é que sua esposa, dona Hilda tem 96 anos. O casal já está junto há 79 anos. A Rede Peperi pesquisou e não encontrou registros de um casal que está junto há tanto tempo aqui na região, o que indica que possa ser o casal mais idoso.

A história começou no Rio Grande do Sul, ele com 24 anos e ela com 17. Os dois são de Santa Cruz do Sul. Lá se conheceram, namoraram e casaram. Desse casamento resultou em 16 filhos. Eles chegaram à Tunápolis, porque Aloísio acabou fisgado por uma propaganda. “Fazia propaganda que era igual Adão e Eva no paraíso. Assim bonito era aqui”, conta ele.

O paraíso anunciado ficava no que hoje é Tunápolis. As terras tinham sido compradas e loteadas por uma empresa colonizadora. Mário Bieger é um dos primeiros moradores da região explica os critérios usados pela empresa na hora de vender as terras. “Aqui tinha que ser de origem alemã e católico. Essas eram as exigências. Quem não era não recebia terra, era uma exigência da Sociedade União Popular. Se não fosse alemão e católico não comprava terra. Hoje daria o maior problema”, conta.

De acordo com matéria veiculada pelo Globo Rural sobre o casal em 2014, Aloísio chegou em uma carroça na região para abrir as primeiras roças na terra recém-comprada. Na época, ela era puxada por burros e, de Santa Cruz (RS) até Tunápolis (SC), rodou cerca de 600 quilômetros. “Era longe, de carroça. Levamos uns 14, 15 dias para chegar aqui. Eu e meu irmão de carroça”, lembra.

Quem guardou a carroça com carinho é um dos filhos do casal, o Pedro. “Com essa carroça, nós íamos para igreja. Até no hospital era levado com aquela carroça, só que era de burro, daí. A mãe, várias vezes, quando estava grávida para ganhar nenê, era em cima da carroça que ia pro hospital também”, recorda Pedro Heck.

Imagine a viagem no saculejo da carroça. Mas Aloísio veio, tomou posse da terra, plantou sua roça e voltou no mesmo saculejo para o Rio Grande do Sul. Desta vez, para buscar a família. Vieram de caminhão, família e mudança, animais, inclusive.

A família estava quase chegando, quando o caminhão atolou. Aloísio decidiu ficar com as coisas enquanto Hilda e nove filhos, com idades entre cinco meses e 11 anos, seguiram pela estrada. Eles levaram só uma vaca para garantir o leite das crianças e caminharam quase oito quilômetros até encontrar o sítio. “Eu com nove crianças no meio do mato, isso não foi fácil. E os dois mais pequenos ainda tinha de carregar nas costas”, conta Hilda.

Elíbio, outro filho do casal, que tinha cinco anos na época da chegada, conta como foi esta caminhada rumo à um sítio ainda desconhecido. “Meu pai explicou: tem que andar, tem que andar até encontrar um bueiro de coqueiro, uma primeira entrada a direita, era ali que nós íamos. Essa era a referência. E já estava escurecendo, a mãe tinha medo que um tigre aparecesse, mas nós, como éramos pequenos, não tínhamos noção do perigo do que podia acontecer. Então nós fomos e, de repente, nós achamos esse lugar ali”.

Com os anos, a família cresceu ainda mais. O casal teve 16 filhos: Elíbio, Pedro, Lúcia, Francisco, Vilibaldo, Aloísio, Felipe, Lourdes, Afonso, Vunibaldo, Normilda (a irmã mais velha) e Regina (a irmã mais nova). Tem ainda a neta Solange, criada como filha.

Quando todos se reúnem é uma trabalheira na cozinha. Lourdes prepara o pão de milho, receita que aprendeu com a mãe. Vai pro forno a lenha, junto com a batata doce e quando sai é garantia de sucesso. O papo na mesa mistura português e alemão. Esta é uma família unida, mas sentar todos juntos hoje em dia não é tão comum.

Foto(s): Retiradas da reportagem do Globo Rural

Continua depois da publicidade

Comentários depois da publicidade

Comentar pelo Facebook

Fique por dentro das últimas novidades do Portal Peperi.