Polícia

Publicidade

12.01.2018 às 22:21h - Polícia

Acusado de matar o tio e ferir familiares por causa de herança é indiciado

Kelly Figueiró

Por: Kelly Figueiró São José do Cedro - SC

Continua depois da publicidade

Acusado de matar o tio e ferir familiares por causa de herança é indiciado

Continua depois da publicidade

Polícia Civil de Pinhalzinho finalizou na quinta-feira, 11, o inquérito sobre o assassinato de Juares Ogliari, de 47 anos. O crime ocorreu na noite de 31 de dezembro, quando um homem encapuzado invadiu uma confraternização e atirou em cinco pessoas, todas da mesma família. Quatro sobreviveram.

Um sobrinho da vítima, de 23 anos, está preso preventivamente na Unidade Prisional Avançada (UPA) de Maravilha desde 2 de janeiro, quando confessou o crime e se apresentou à polícia. Ele foi indiciado após interrogatório por homicídio qualificado por motivo fútil e sem chance de defesa para a vítima, e por tentativas de assassinato da avó, dois tios e um primo.

O jovem cursava engenharia eletrônica em Florianópolis. Para a polícia, ele premeditou o crime por cerca de seis meses. O inquérito foi encaminhado à Justiça e depois deve ser analisado pelo Ministério Público.

Motivação

Para o delegado responsável pela investigação, Arthur Lopes, o crime foi cometido por um "sentimento de humilhação" por parte do jovem, em razão de desavenças familiares. "Juares ficou vários anos fora da cidade enquanto fazia mestrado, doutorado e quando retornou começou a implementar algumas mudanças na família. Surgiram divergências com relação aos cuidados da mãe dele e avó do autor do crime”, disse.

Segundo Lopes, a avó do rapaz e os pais do universitário moraram juntos por mais de 20 anos e, ao retornar, Juares entendeu que ela não estava sendo bem cuidada. “Então, a família teve que se mudar e a forma como isso aconteceu gerou uma grande inimizade”, explicou.

Além das mudanças relacionadas à avó, segundo o delegado, o tio também deu início ao inventário dos bens do pai morto há vários anos. “O jovem também entendeu que o pai dele, irmão do Juares, foi prejudicado na divisão das terras e no pagamento de sacas de milho”, completou.

A origem da arma usada no homicídio ainda está sendo investigada. Juares era professor do Instituto Federal Catarinense (IFC) de Concórdia desde maio de 2016. Conforme a unidade, ele era servidor federal do Rio de Janeiro cedido para o campus.

Continua depois da publicidade

Continua depois da publicidade

Advocacia Fávero
AL Contabilidade

Comentários depois da publicidade

Comentários depois da publicidade

Comentar pelo Facebook

Fique por dentro das últimas novidades do Portal Peperi.