10.10.2019 às 08:37h - atualizado em 10.10.2019 às 08:41h - Justiça

Juíza autoriza transplante de fígado inter vivos para salvar jovem em Chapecó

Kelly Figueiró

Por: Kelly Figueiró São José do Cedro - SC

Juíza autoriza transplante de fígado inter vivos para salvar jovem em Chapecó
ilustração

Continua depois da publicidade

Um pouco mais de 24 horas, entre terça e quarta-feira desta semana, a juíza Maira Salete Meneghetti, titular da 4ª Vara Cível da comarca de Chapecó, decidiu favoravelmente ao pedido de autorização de um transplante de fígado inter vivos (entre pessoas vivas). O pedido foi feito voluntariamente pela doadora, amiga da família da paciente de apenas 13 anos, acometida de leucinose.

Segundo informações do TJSC, a Justiça levou em consideração que a doadora, de 45 anos, cientificada sobre o método utilizado para retirada de parte do fígado e dos riscos inerentes ao procedimento, assinou todos os termos de consentimento exigidos.

A compatibilidade entre doadora e receptora foi confirmada por meio de testes e exames exigidos, que foram realizados pelo hospital e médico responsáveis. A doadora disse, em seu pedido, que acompanha o sofrimento da família há anos e por isso ofereceu ajuda.

O TJSC informou que na decisão, a magistrada citou o artigo da Lei que diz que “é permitida à pessoa juridicamente capaz dispor gratuitamente de tecidos, órgãos e partes do próprio corpo vivo, para fins terapêuticos ou para transplantes em cônjuge ou parentes consanguíneos até o quarto grau ou em qualquer outra pessoa, mediante autorização judicial, dispensada esta em relação à medula óssea“.

Na parte final da sentença, Maira demonstrou a sensibilidade da equipe com o caso: “Votos sinceros desta magistrada e de todos os servidores da 4ª Vara Cível desta comarca de pleno sucesso na transplantação, para uma vida saudável, bem como o reconhecimento e elogio à pessoa da doadora pelo gesto de solidariedade, humanidade e empatia“. A cirurgia está marcada para a próxima segunda-feira, 14, em um hospital de São Paulo/SP.

A doença

De acordo com a Rede DXB, instituição brasileira pesquisadora da doença, a síndrome também é conhecida como Doença da Urina do Xarope do Bordo. Trata-se de uma anomalia genética rara que interfere no metabolismo. Com isso, ocorre acúmulo de alguns aminoácidos, o que afeta principalmente o sistema nervoso central.

Em alguns casos, o paciente pode evoluir para convulsão, coma e óbito. Estima-se que, no mundo, a leucinose se manifesta em um a cada 185 mil nascidos.

Fonte: TJ

Comentar pelo Facebook

Fique por dentro das últimas novidades do Portal Peperi.