08.07.2019 às 14:51h - Agricultura

Sindi Tabaco comemora inclusão do produto no acordo do Mercosul com a União Europeia

Joana Reichert

Por: Joana Reichert Iporã do Oeste - SC

Sindi Tabaco comemora inclusão do produto no acordo do Mercosul com a União Europeia

Continua depois da publicidade

De acordo com o presidente do Sindicato da Indústria do Tabaco, o Sindi Tabaco com sede em Santa Cruz do Sul, Iro Schink, após uma ampla discussão, o acordo finalmente foi firmado, já que estava sendo muito aguardado pela categoria. O presidente do Sindi Tabaco explica que a importância deste acordo se justifica porque um dos principais compradores de tabaco do Brasil é a União Europeia. A média anual vendida para os países da Europa é de 45% da produção brasileira.

Iro Schink afirma que a inclusão da venda do tabaco neste acordo deve ser considerada como uma continuidade da comercialização para a Europa, pois ela já vinha ocorrendo, e causaria um grande problema caso não se confirmasse.

Na região Oeste catarinense, em que predominam as espécies do fumo burley e comum, o presidente do Sindi Tabaco enfatiza que a principal dificuldade é a concorrência na exportação com países da África, que também são grandes produtores de tabaco.

Iro Schink explica que nos países Malawi e Moçambique, principalmente, o tabaco é produzido com um custo mais barato em comparação ao Brasil, devido ao custo da mão de obra ser bem mais baixo na África. Outro concorrente é o país vizinho da Argentina.

Além desta concorrência, o presidente do sindicato cita que outra dificuldade é que nos últimos dez anos reduziu muito a produção de fumo burley no Brasil, com uma média anual de 650 mil toneladas.

Já o fumo comum é mais voltado ao consumo do mercado interno, e uma pequena parcela vai para a exportação. Iro Schink avalia que apesar da redução no consumo no tabaco, a produção no Brasil deve se manter estável nos próximos anos.

Foto(s): Jornei de Souza

Comentar pelo Facebook

Fique por dentro das últimas novidades do Portal Peperi.