Publicidade

08.03.2018 às 17:14h - Justiça

STF autoriza inquérito sobre Caixa 2 para Paulo Bauer

Marcos de Lima

Por: Marcos de Lima São Miguel do Oeste - SC

Continua depois da publicidade

STF autoriza inquérito sobre Caixa 2 para Paulo Bauer
NSC divulgação

Continua depois da publicidade

O senador catarinense Paulo Bauer do PSDB será investigado pela Procuradoria Geral da República sobre o suposto recebimento de R$ 11,5 milhões não-declarados para a campanha eleitoral de 2014, quando concorreu a governador. Na terça-feira, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, decidiu autorizar a investigação em uma petição autônoma. Segundo NSC Comunicação a decisão do ministro na tarde desta quarta-feira, 08.

As supostas doações foram apontadas na delação premiada do ex-executivo da empresa Hypermarcas Nelson José de Mello. A citação ao político catarinense constava na petição que deu origem a inquérito contra o presidente do Senado, Eunício Oliveira, também supostamente beneficiado por caixa 2. Com a decisão de Fachin, a PRG fará uma investigação específica para apurar o relato de Mello e decidir se apresenta denúncia ao STF.

Na delação, o ex-executivo diz que o repasse de recursos foi feito por meio de contratos fictícios assinados com outras empresas que não prestaram os serviços oficialmente contratados. Os repasses teriam sido realizados em agosto de 2013 e dezembro de 2014 - abrangendo os períodos anteriores e posteriores à campanha eleitoral.

O objetivo, segundo Mello, era “desenvolver laços políticos com o parlamentar de destaque no PSDB”. Na avaliação da empresa, além de concorrer a governador, Bauer participava “ativamente de assuntos relacionados à guerra fiscal entre os Estados e à indústria farmacêutica” - ramo de atuação da empresa.

Os repasses teriam sido feitos por meio de contratos fictícios com uma empresa de engenharia e saneamento com sede em Joinville, um instituto de pesquisas e um escritório de advocacia - este, segundo o delator, responsável por intermediar R$ 9 milhões dos supostos recursos doados pela empresa, em quatro contratos.

De acordo com o Ministério Público Federal, em parecer solicitado por Fachin, “constatou-se a necessidade de análise pormenorizada, em separado, diante da possibilidade de pedido de instauração de inquérito no âmbito do STF, uma vez que as evidências denotam a possível prática de crime envolvendo autoridade com prerrogativa de foro”.

Contraponto

Por meio da assessoria, o senador Paulo Bauer disse não ter conhecimento da decisão do ministro Edson Fachin e que não se manifestará enquanto não for oficialmente comunicado. O tucano afirmou também que não há nenhuma irregularidade em suas contas da campanha na eleição de 2014 e que está à disposição da Justiça para esclarecer eventuais dúvidas.

Fonte: NSC

Continua depois da publicidade

AL Contabilidade
Advocacia Fávero
Nedel Celulares.

Comentários depois da publicidade

Comentários depois da publicidade

Comentar pelo Facebook

Fique por dentro das últimas novidades do Portal Peperi.