Polícia

Publicidade

08.02.2018 às 06:22h - atualizado em 08.02.2018 às 06:31h - Polícia

REVIRAVOLTA: Caso de crianças esquartejadas em suposto ritual satânico, volta à estaca zero

Polícia do RS diz que testemunhas mentiram e Justiça liberta suspeitos

Kelly Figueiró

Por: Kelly Figueiró São José do Cedro - SC

Continua depois da publicidade

REVIRAVOLTA: Caso de crianças esquartejadas em suposto ritual satânico, volta à estaca zero
Delegado Rogério afirmou, em entrevista coletiva, que as pessoas presas no caso são inocentes (Foto: Luã Hernandez/G1 RS )

Continua depois da publicidade

Após uma reviravolta no caso que apura a morte de duas crianças esquartejadas em suposto ritual satânico, o delegado que conduz a investigação, Rogério Baggio, concedeu entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira, 07, na Delegacia de Polícia Civil de Novo Hamburgo, no Vale do Sinos.

— Surgiu uma terceira testemunha que fez ligação dos fatos, e tudo encaminhava para a linha do ritual satânico. A gente não descarta, mas a investigação agora volta ao zero. Tudo o que tínhamos até agora é mentira, é uma farsa. Mentiram com riqueza de detalhes e a investigação traçou o rumo pelas testemunhas. Por isso, ressalto a importância do inquérito policial. Os três depoimentos são mentirosos.

A desconfiança

— Quando voltei das minhas férias, estudei esse caso detalhadamente. A desconfiança chegou no momento da segunda testemunha, que foi a que teria visto parte dos corpos ser deixada na estrada. Essa testemunha disse que viu as pessoas largando as caixas e os sacos de lixo. Perguntei como a pessoa se lembrava do fato, a testemunha disse que era porque tinha um filho, que fazia aniversário na data e foi visitá-lo. Realmente, a testemunha tem um filho que faz aniversário em 4 de setembro. Só que essa pessoa disse que estava com ela um companheiro de trabalho, mas ela não soube dar a qualificação. A investigação tentou buscar quem ele seria e chegou uma informação de quem ele poderia ser. Após uma logística, uma equipe iria ouvi-lo — ele moraria em Santa Catarina. A equipe não foi, porque descobriu que ele era um médico. Como um médico vai trabalhar numa obra? Foi feito um auto de reconhecimento e entendeu-se que a pessoa não era a mesma, as pessoas eram diferentes. Como alguém no carona não reconhece quem estava do lado? Até que a pessoa disse que era mentira e confessou quem teve a ideia — era a pessoa que foi em presa em São Leopoldo.

A verdade

As testemunhas acabaram contando a verdade depois que a investigação começou a duvidar da história contada. O homem preso preventivamente não tem envolvimento com religião, mas é investigado se ele tinha alguma proximidade com a polícia, já que tinha conhecimento de detalhes da investigação. O motivo pelo qual ele coagiu as testemunhas a mentir já é conhecido, mas a polícia prefere manter em sigilo, por enquanto.

— Nós investigamos todas as testemunhas. Nós soubemos tudo dessas testemunhas. A gente fez outro depoimento e essas pessoas não tiveram outra alternativa a não ser contar a verdade.

Quem induziu?

Na manhã desta quarta-feira, a polícia prendeu um homem por ter coagido as três testemunhas da investigação: o filho dele e dois amigos.

— Uma pessoa foi presa preventivamente em São Leopoldo por induzir as três testemunhas a mentir. As pessoas estavam em dificuldades financeiras e foram coagidas e bem orientadas por pessoas que conhecem a investigação para poder dar riqueza de detalhes. O nome não vai ser revelado porque a polícia investiga outras pessoas ligadas a ele. A motivação para incriminar não tem interesse pessoal, pelo depoimento. A verdadeira motivação do crime desse suspeito é agora o motivo da investigação. Com certeza essa pessoa conhece muito bem a investigação policial.

A liberdade

Até esta quarta-feira, cinco pessoas estavam presas e outras duas estavam foragidas suspeitas de envolvimento em um ritual satânico que teria causado a morte das duas crianças supostamente trazidas da Argentina. Como todo o inquérito, conduzido até então pelo delegado Moacir Fermino, era baseado em depoimentos de testemunhas, a polícia pediu a soltura dos sete (só cinco estavam presos), e a Justiça concedeu.

— Eu, em nome da Polícia Civil, imediatamente fiz um pedido de liberdade. A polícia está aqui para buscar a verdade dos fatos. A gente trabalhou e ficou ciente de que as pessoas que estavam presas eram inocentes. Quando tive certeza, eu pedi a liberdade dessas pessoas. A magistrada acatou o pedido.

De volta à estaca zero

Conforme o delegado Rogério Baggio, titular da 2ª Delegacia de Polícia de Novo Hamburgo, todas as provas periciais feitas até agora descartam a hipótese de ritual satânico envolvendo humanos, já que, tanto nas vestes apreendidas quanto no templo encontrado em Gravataí, foi encontrado apenas sangue animal, e não humano.

Agora, a investigação sobre a morte das crianças voltou à estaca zero, e a polícia não descarta nenhuma hipótese: — 99% eles são inocentes. Tiveram sua vida devastada, foram publicamente condenados. Agora não descarto nada, não descarto ritual satânico também, porque não faço ideia do que possa ter acontecido.

Sobre a condução da investigação pelo delegado Moacir Fermino, Baggio preferiu não se manifestar quando perguntado. A Corregedoria da Polícia Civil vai apurar a conduta dele no caso.

Fonte: Diário Catarinense

Continua depois da publicidade

Continua depois da publicidade

Advocacia Fávero
AL Contabilidade

Comentários depois da publicidade

Comentários depois da publicidade

Comentar pelo Facebook

Fique por dentro das últimas novidades do Portal Peperi.