Publicidade

06.03.2018 às 07:35h - atualizado em 06.03.2018 às 14:50h - Justiça

Ministro do STF determina quebra de sigilo bancário de Temer

João Bresolin

Por: João Bresolin São Miguel do Oeste - SC

Continua depois da publicidade

Ministro do STF determina quebra de sigilo bancário de Temer

Continua depois da publicidade

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, determinou a quebra do sigilo bancário do presidente Michel Temer na investigação sobre supostas irregularidades em decreto relacionado ao setor portuário.

Essa é a primeira vez que um presidente da República no exercício do mandato tem o sigilo bancário quebrado por ordem judicial, sendo que a quebra será pelo período entre 1º de janeiro de 2013 a 30 de junho de 2017.

O ministro também autorizou o levantamento do sigilo bancário de três pessoas próximas a Temer, sendo os ex-assessores João Baptista Lima Filho, conhecido como coronel Lima, José Yunes e Rodrigo da Rocha Loures.

A decisão inclui ainda Antonio Celso Grecco e Ricardo Mesquita, respectivamente, dono e executivo da Rodrimar, uma das concessionárias do porto de Santos.

A Polícia Federal apura suspeita de pagamento de propina na edição do decreto que prorrogou os contratos do setor portuário.

A medida permite que a exploração de terminais tenha prazo de 35 anos e possa ser renovada até o limite de 70 anos, sem licitação.

Uma das linhas de investigação indica que parte da norma assinada pelo presidente teria sido direcionada para favorecer a Rodrimar a partir de negociações supostamente intermediadas por Rocha Loures.

Em outra decisão no STF, na semana passada, o ministro Edson Fachin autorizou que o presidente seja investigado sobre suposto pagamento de propina por parte da Odebrecht, visto que em 2014, Temer recebeu Marcelo Odebrecht e o diretor da empreiteira Cláudio Melo em jantar no Palácio do Jaburu.

Os executivos relataram que, na conversa, foi discutida uma contribuição da empresa ao PMDB por caixa 2 em troca de ajuda para contratos na Secretaria de Aviação Civil.

Fonte: DC

Continua depois da publicidade

Continua depois da publicidade

AL Contabilidade
Advocacia Fávero

Comentários depois da publicidade

Comentários depois da publicidade

Comentar pelo Facebook

Fique por dentro das últimas novidades do Portal Peperi.