cresol mobile

04.04.2020 às 10:09h - atualizado em 04.04.2020 às 11:55h - Estiagem

Sindicato diz que não decretar emergência é desconsiderar a importância do meio rural

Marcos Meller

Por: Marcos Meller São Miguel do Oeste - SC

Sindicato diz que não decretar emergência é desconsiderar a importância do meio rural
Divulgação / PEPERI

Continua depois da publicidade

O Sindicato dos Trabalhadores Rurais ficou surpreso com a decisão de São Miguel do Oeste de não decretar estado de emergência em razão da estiagem. O presidente da entidade, Joel De Moura, disse que ficou sabendo dessa posição pelo Globo em Foco. De acordo com ele, o sindicato não foi chamado para a reunião do conselho municipal de defesa civil, na terça-feira, para analisar os efeitos da falta de chuvas. Segundo Joel, os agricultores ficaram indignados com a posição do conselho de não decretar estado de emergência. Em nota encaminhada à imprensa, a Defesa Civil local informou que o município tem um perfil mais urbano do que rural e que os efeitos da estiagem no campo não são tão grandes em razão dos investimentos feitos pela prefeitura, como, por exemplo, a abertura de mais de cem poços caxambu.

Joel de Moura também disse que a posição do conselho municipal da defesa civil em relação aos efeitos da estiagem no campo é uma desconsideração com a agricultura. Na visão do sindicalista, a opção por não decretar emergência é sinal de despreparo do conselho. Joel afirmou que os conselheiros devem ter tomando a decisão dentro de um escritório e não perceberam a gravidade do quadro para os agricultores.

O presidente do Sindicato confirmou que a entidade vai elaborar um oficio e formalizar o pedido para que a decisão de não decretar estado de emergência na agricultura seja revista imediatamente. Segundo o presidente, o decreto é um documento necessário para a adoção de outras medidas de auxílios aos agricultores afetados pela estiagem. Ele explicou que, sem o decreto, os produtores que tiveram prejuízos nas lavouras não podem solicitar a prorrogação de financiamentos agrícolas, por exemplo. Joel ressaltou que as dificuldades no campo vão se refletir, mais tarde, no comércio da cidade.

- OUÇA A ENTREVISTA COMPLETA:

O Coordenador da defesa civil, Jeferson Dias, disse que a decisão de não decretar estado de emergência neste momento é técnica. Ele também afirmou que a posição foi baseada na apreciação dos dados levantados por entidades, como a Epagri. Além disso, a defesa civil entende que o decreto, neste momento, não seria reconhecido pelo estado. Jeferson ressaltou que o conselho deve voltar a se reunir nos próximos dias e essa posição pode mudar se o problema da estiagem persistir ou aumentar.

- OUÇA A ENTREVISTA COMPLETA:

Comentar pelo Facebook

Fique por dentro das últimas novidades do Portal Peperi.